O Bloco de Esquerda apresentou na passada segunda-feira, 27 de julho, no Largo da Ribeira Velha, em Setúbal, a lista de candidatos a deputados que vão concorrer nas próximas eleições legislativas.

A cabeça de lista por Setúbal, Joana Mortágua, sublinhou que “há qualquer coisa de extraordinário” que junta os e as candidatos e candidatas que compõem a lista do distrito: “um projeto de sociedade que o Bloco defende pelo qual cada deputado, cada candidato, cada militante dá a cara todos os dias”.

“Essa ideia louca de construir um futuro em que os povos não sejam escravos de dívidas” e “nem escravos de pactos assinados nas suas costas, como o Tratado Orçamental, assinado por PSD, CDS e PS contra todos”, esclareceu a candidata.

“O PSD mete um outdoor nas ruas a dizer ‘O rumo certo’, quando nós sabemos que o rumo deles é destruir o país, e PS opta por um outdoor onde se lê ‘Por mais emprego’, quando o seu programa defende a liberalização dos despedimentos”, recordou Joana Mortágua, defendendo que é preciso “travar o carrossel gigante contínuo de PS e PSD”.

“À senhora Merkel qualquer um deles [Passos Coelho ou António Costa] serve para governar esta colónia em que ela quer transformar este país”, assinalou, destacando que “Portugal não está condenado a escolher entre quem quer vender o que é de todos por um bocadinho mais e quem quer vender o que é de todos por um bocadinho menos”.

A segunda candidata por Setúbal, Sandra Cunha, sublinhou que os bloquistas candidatam-se porque não aceitam “a chantagem do medo e da falta de alternativa”.

“Candidatamo-nos porque sabemos que há alternativa. É a de trazer à responsabilidade os verdadeiros culpados da crise e é a de ir buscar o dinheiro onde ele está. Aos que andaram a especular e a jogar com dinheiro que não tinham e não era seu…e que perderam!”, avançou.

“Candidatamo-nos porque sabemos que há alternativa. É a de dizer Não! Basta! A alternativa é a de colocar as pessoas em 1.º lugar, à frente dos interesses financeiros e pessoais”, rematou.

O mandatário da candidatura, o historiador Fernando Rosas, antigo deputado do Bloco por Setúbal, fez um balanço arrasador da governação PSD/CDS dos últimos quatro anos.

“Esse balanço é uma queda do PIB [Produto Interno Bruto] de 6 por cento, é a liquidação de cerca de 300 mil postos de trabalho, é o corte real e nominal dos salários, é o corte das pensões, é o empobrecimento dos mais pobres e das classes médias com os cortes do complementos para os idosos, é o corte dos subsídios de desemprego, do subsídio de doença, as taxas moderadoras, os abonos de família”, disse Fernando Rosas, que também não poupou críticas ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.

“Como é que este primeiro-ministro tem a lata e o desplante, perante os portugueses, na televisão, de dizer que os mais pobres não foram prejudicados, quando foram as vítimas de eleição deste Governo, de sugar até à medula o trabalho e o sangue dos portugueses”, questionou.

Para Fernando Rosas, é preciso “lutar contra essa ilusão sinistra de que é possível fazer crescer e desenvolver o país, obedecendo às regras da Europa germanófila, obedecendo às regras que nos mandam não crescer, obedecendo ao Tratado Orçamental Europeu, obedecendo aos ditames que mandam que não se mexa na dívida”.

“[Temos de] combater essa ilusão sinistra de que rastejando perante a Europa nós podemos chegar a algum lado. Temos de combater essa política com propostas, com alternativas, com um programa”, rematou.

A iniciativa contou ainda com as intervenções dos candidatos Luís Cordeiro, vereador eleito pelo Bloco de Esquerda no Seixal e Fernando Sequeira, da Comissão de Trabalhadores da Auto-Europa, da porta-voz Catarina Martins e a música de Francisco Fanhais e de Amélia Muge, que declararam o seu apoio à candidatura bloquista.

 

Lista

  1. Joana Mortágua – Almada
  2. Sandra Cunha – Sesimbra
  3. Luís Cordeiro – Seixal (independente)
  4. Fernando Sequeira – Moita
  5. Raquel Rodrigues Santos – Barreiro
  6. Álvaro Arranja – Setúbal
  7. Joaquim Raminhos – Moita
  8. Júlia Pereira – Sesimbra
  9. Carlos Oliveira – Palmela
  10. Inês Bom – Almada
  11. Ricardo Caçoila – Montijo
  12. Jaime Pinho – Setúbal
  13. Rosa Maria Silva – Santo André (independente)
  14. Joaquim Piló – Seixal
  15. Vitália Ribeiro – Barreiro
  16. Fernando Pinho – Setúbal
  17. Aldina Soares – Palmela

 

Suplentes

  1. Carlos Branco – Setúbal
  2. Pedro Oliveira – Almada
  3. Almerinda Bento – Seixal
  4. Manuela Freitas – Setúbal (independente)
  5. Cipriano Pisco – Montijo
Partilhe esta notícia