Foi assinado ontem, pelas mãos do presidente da Câmara do Barreiro, Carlos Humberto e por João Góis, diretor do negócio imobiliário do Millennium BCP, o contrato de compra e venda dos terrenos da Quinta do Braamcamp. Este foi mais um passo no sentido de se concretizar a compra efetiva dos terrenos, recordamos que no passado mês de novembro o Município comunicou que, iria-se financiar para todo este projeto com um valor de 5 milhões de euros que seria repartido em 2.9 milhões euros para a aquisição da quinta, 300 mil euros para construção de uma réplica da embarcação “muleta”, e os restantes 1,8 mihões euros para a limpeza reabilitização de toda zona.

Jorge Góis, congratalou-se com assinatura deste contrato, não só pela transmissão do imóvel, que estava à muitos anos no banco para venda, mas também porque considera que este é um projeto que vai provocar alterações muito grandes no Barreiro, alterando a relação das pessoas não só do Barreiro, como de todo o concelho, com o rio. Considerou ainda que “para além do negócio, é sempre bom quando um ativo desta natureza, consegue desempenhar, mais do que um negócio, uma função útil para a comunidade”.

Para o presidente da Câmara do Barreiro, Carlos Humberto, a assinatura deste contrato é um passo determinante para a conclusão do processo de aquisição da Quinta do Braamcamp, referiu ainda que “segue-se agora a apreciação do Tribunal de Contas do processo de compra e do empréstimo, só depois será feita a assinatura definitiva”.

O autarca salientou que este vai ser um ativo dos Barreirenses, concluindo “permitirá continuar a concretizar um projeto que se vai prolongar no tempo, que será reabilitar, revitalizar, pondo à disposição de toda a população do concelho, toda a frente ribeirinha”. Foi ainda confirmado que este espaço vai ser maioritariamente de âmbito público, mas que eventualmente poderá ter alguma atividade empresarial, comercial ou habitacional, mas um espaço essencialmente destinado a atividades náuticas, desporto, recreio, lazer e restauração.

Para finalizar, Carlos Humberto esclareceu que a primeira prioridade será a limpeza de todo o território e recuperação do moinho pequeno.

 

Partilhe esta notícia