Fernando Esteves Pinto é o vencedor do Prémio Literário Cidade de Almada 2016 – Romance, com a obra A Caverna de Deus. O galardão foi atribuído esta quinta-feira, 22 de setembro, no Fórum Municipal Romeu Correia – Sala Pablo Neruda.

Em 2016, estiveram a concurso 61 obras literárias originais. A obra literária de Fernando Esteves Pinto foi distinguida pelo júri constituído por João Tordo, em representação da Câmara Municipal de Almada, José Correia Tavares, em representação da Associação Portuguesa de Escritores, e Liberto Cruz, em representação da Associação Portuguesa dos Críticos Literários.

Prémio Literário Cidade de Almada

Instituído pela Câmara Municipal de Almada em 1989, o Prémio Literário Cidade de Almada é considerado uma referência nacional na área da literatura e na promoção da criação literária em língua portuguesa.

Ao vencedor da edição 2016 foi atribuído um prémio no valor de cinco mil euros.

Sinopse da obra

A Caverna de Deus é um romance de enorme sensibilidade, a narrativa encantada de um fascínio que começa num singelo encontro num comboio e nos transporta, através da arte e da literatura, para o âmago das relações humanas. O fascínio do narrador por Constança é o mesmo de Michelangelo pelo corpo humano, ou de Sylvia Plath por Ted Hughes; e as personagens – Harry e o seu estúdio, Luciano, Vicente, Cecília – são pontuadas pela expressão de afetos, desamores e a morte (representada pela doença da mãe do protagonista), num livro que se lê como uma pauta musical, de extraordinária elegância formal e profundidade nas reflexões.

Sobre o autor

Fernando Esteves Pinto nasceu em 1961, em Cascais, mas vive em Olhão desde os 20 anos. Participou em programas infanto-juvenis para a televisão (RTP). Nos anos 80 colaborou no DN Jovem (Diário de Notícias) e no Jornal de Letras. Em 1990 foi-lhe atribuído o Prémio Inasset Revelação de Poesia do Centro Nacional de Cultura pelo livro de poesia Na Escrita e no Rosto, editado pela editora Europress, em 1993.

É cofundador e coordenador da revista de literatura Sulscrito, e cofundador do projeto literário Palavra Ibérica. Atualmente é diretor editorial da 4águas (editora de poesia).